Sexualidade Sem Barreiras

O Empoderamento da Mulher com Deficiência

FLORESCER

Luna está sentada em uma cadeira de rodas olhando para baixo. Ela veste uma calça jeans e uma blusa preta presa ao pescoço

SEXUALIDADE

Nicole está sentada em sua scooter, vestindo uma lingerie vermelha, suas mãos passam entre os cabelos enquanto sua cabeça se mantém levemente levantada.

DIVERSIDADE

Priscila olha para a camera. Ela está usando óculos de grau e em suas costas pousa a bandeira da diversidade

ALÉM DA DEFICIÊNCIA

Mirelly está em pé na frente de um fundo preto, vestindo uma saia e um cropped que deixam sua barriga de grávida exposta. Sua mão direita  permanece segurando a barriga, enquanto a esquerda está entre os cabelos

Galeria de fotos

Depoimentos

Sobre

Diferente do que todos pensavam, ser uma mulher com deficiência me fez muito comunicativa. A minha trajetória traz dores e alegrias infinitas que me levaram a escolher o jornalismo. Sou portadora de Osteogenesis Imperfeita, conhecida também como Ossos de Vidro, e isto levou-me a ter mais de vinte e cinco fraturas pelo corpo. Contudo, a deficiência nunca foi um fator que me levasse a desistir dos meus sonhos, ao contrário, só me fez alavancar cada vez mais.

Nesses quatro anos de graduação, tive a oportunidade de aprender, conhecer novos lugares, novas culturas e pessoas maravilhosas. Contudo, foi dentro dessa área que aprendi a reivindicar os meus direitos como PCD. Logo de primeira, tive que provar ao mercado de trabalho a minha capacidade de estagiar, me tornando a primeira estagiária com deficiência da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco.

Também foi tempo de reconhecer a minha sexualidade e de reivindicá-la. Diante de tantos preconceitos e estigmas sociais, escolhi o tema “o empoderamento sexual da mulher com deficiência”. Dessa forma, a voz de cada entrevistada representa a minha voz.

Nessa trajetória tenho eterna gratidão a Deus por Ele estar sempre presente ao meu lado. Também agradeço à minha família, à minha mãe, Aparecida Melo dos Santos, por me lembrar da importância de chegar até aqui. Pelo meu pai, Roberto Xavier dos Santos, por me incentivar a não desistir. A minha irmã Paloma Melo, por me trazer à lembrança o quanto sou forte. A minha tia, Adna Xavier, sem ela, nada disso teria conquistado. E aos meus amigos por me apoiarem nas horas mais difíceis.

E, sem sombra de dúvidas, a minha professora orientadora, Andrea Trigueiro, que me auxiliou a planejar, organizar e desenvolver meu projeto. Agradeço por todo o apoio e por me enxergar como profissional e esquecer a deficiência, além de ver uma capacidade que eu nem imaginava que existia em mim. Sou eternamente grata aos meus professores que não tiveram distinção comigo em sala de aula, em especial Aline Grego, Vlaudimir Salvador e Carla Teixeira.

E por último, a minha gratidão a vida, seja ela como for, com limitações ou sem limitações, ela é o nosso maior presente. Aproveito esta dádiva divina da melhor maneira possível. Assim, espero que este trabalho contribua para que os estudos sobre a sexualidade da mulher com deficiência, também como seu empoderamento cresçam na sociedade acadêmica.

Pâmela está de joelhos na cama de um hotel, vestindo uma lingerie vermelha. Ela segura as pontas dos cabelos com a mão esquerda, enquanto seduz com o olhar. Os lençóis brancos da cama contrastam com a lingerie.