Com uso de novas tecnologias, logo surgiram novos espaços e as rádios começaram a entrar no mundo virtual. Dessa forma, muitas emissoras migraram para o novo território, com mais espaço, mais qualidade de áudio e velocidade. O rádio expandido como é definido a partir das transmissões radiofônicas que extrapolam as ondas hertzianas para as mídias sociais, o celular, a tv por assinatura, sites e portais de emissoras. O rádio multiplataforma interliga elementos de outros canais de comunicação, como o texto mais elaborado do jornal impresso, a imagem do fotojornalismo e o vídeo da televisão. Contudo, o áudio ainda predomina como principal elemento deste meio de informação. A mudança também chegou ao ouvinte fiel que, mais na frente, passou a ser internauta. A audiência cresceu, agora não só estamos sintonizados através do rádio de pilha ou do carro, como também pelo Twitter, Facebook, Instagram e YouTube tendo a imagem como conteúdo oferecido além da mídia sonora. Além de ouvir, o público tem a autonomia de sugerir uma pauta em todos os novos espaços de interação, entrar ao vivo para comentar sobre a programação no ar, dar likes e compartilhar.

Do dial à rede

Em Pernambuco, a primeira experiência do rádio na internet foi realizada pela Rádio Jornal AM, em 2010, com a criação do Blog dos Bastidores

Novos caminhos

A notícia produzida para o rádio, como também para a web, passou a ter mais possibilidades na busca por apuração, narração do acontecimento e na construção desses conteúdos

Expansão e convergência

O rádio multiplataforma interliga elementos de outros canais de comunicação, como o texto mais elaborado do jornal impresso, a imagem do fotojornalismo e o vídeo da televisão

O rádio inova
e o público
interage mais

Agora não só estamos sintonizados através do rádio de pilha ou do carro, como também pelo Twitter, Facebook, Instagram e YouTube tendo a imagem como conteúdo oferecido além da mídia sonora