Arquivo de tag Donas

Donas da p**** toda

Um dos pioneiros entre os grupos femininos da cidade, o agora quarteto está de volta à ativa após pausa de dez anos

Mãe das gêmeas Luara e Luane, de 18 anos, e de Samara, de 16, no meio da movimentação para trazer o grupo Donas de volta, Mariana Oliveira, a MJ, se viu mãe também de mais uma mulher, a pequena Dandara, hoje com sete meses. Veterana entre as MCs recifenses, ela é referência de pioneirismo para quase todas as entrevistadas do Salve Todas. “Fui mesmo a primeira a pegar o microfone e cantar rap aqui”, afirma MJ.

Munida de discurso em prol da emancipação feminina, Mariana, 35 anos, tem uma história no hip hop iniciada na adolescência quando, aos 13, em meio a rodas de skate, ganhou uma fita K7 com gravações do grupo recifense Faces do Subúrbio e do Câmbio Negro (de Brasília), ambos de grande importância no cenário nacional.

Sem se encaixar no padrão da família de classe média a qual pertence, encontrou nas rodas de rap um lugar próprio, se reconhecendo enquanto mulher negra, mas esbarrou na predominância de vozes masculinas. “As meninas iam às rodas para dançar, rebolar, paquerar os caras”, conta a MC.

Parceira de MJ nos vocais do Donas, Fabiana Coelho fez trajeto semelhante, a partir dos bailes de hip hop apresentados pelos amigos do bairro da Madalena, bairro da zona oeste do Recife. Através de uma amiga, chegou até Mariana, em meados de 2004, com papel e caneta em punho para apresentar alguns versos autorais. A química instantânea deu origem a shows pelo Brasil, um CD demo, homônimo, com oito faixas, e a quinta colocação entre cerca de 100 músicas concorrentes do extinto Festival Hutúz, o mais importante voltado especificamente ao gênero já organizado no País.

A pausa veio por volta de 2006, movida pelas demandas de casamentos e filhos – Fabiana também é mãe de um adolescente e de uma garotinha de sete anos. Mas a música nunca foi deixada totalmente de lado. Formadas assistente social e administradora de empresas, respectivamente, Mariana e Fabiana conciliaram os estudos com as rimas sempre afiadas, seja no engajamento em trabalhos sociais onde a poesia se faz presente ou nos escritos rabiscados num canto ou outro.

Foi essa inquietação inerente a quem entra no rap que encaminhou o retorno, iniciado há cerca de um ano e recentemente abraçado pela produtora Pro4. Dela, veio a oportunidade de se apresentar durante o Festival de Inverno de Garanhuns 2017, para um palco Mestre Dominguinhos lotado.

“Estamos num momento de desorganizar para organizar”, sentencia Mariana Oliveira, a MJ

Ouça a participação de Mariana MJ na Roda de Conversa

 

FUTURO

Sentindo falta de composição melódica nas rimas, Mariana e Fabiana abriram seleção, ainda em 2016, com o intuito de encontrar uma cantora para o Donas. Aline Bilar chegou para somar pela vontade de que houvesse uma certa malemolência à poesia falada. À mesma época, o experiente DJ Dagga era convocado a passar para Adriana Pax, DJ residente de uma casa noturna no bairro da Boa Vista, lições de como discotecar com vinis.

A intenção a partir de agora é mesmo potencializar o Donas como agente 100% feminino e combativo às opressões sociais. “A gente começou há muito tempo, quando a internet não era como hoje. Muita gente se queixa de procurar nossos trabalhos e não achar. Por isso, queremos investir nas redes sociais, gravar músicas, clipes, preparar um disco, para que as pessoas encontrem a gente”, arremata MJ.

Confira o MIC Aberto do Donas